link rel=alternate type=application/rss+xml title=RSS-Feed href=http://www.sindicatocp.org.br/index.php?id=10type=100 /

Login

Informe seu login e senha para acessar a área restrita:

Login:
Senha:
 
Data: 17.06.2019 15:37

GREVE GERAL: bancários fecham centro de Campinas


Convocada pelas centrais sindicais contra a reforma da Previdência do governo Jair Bolsonaro (Proposta de Emenda à Constituição, PEC 6), a greve geral realizada no último dia 14 no país contou com expressiva adesão dos bancários em Campinas. No centro da cidade fecharam agências e departamentos de bancos públicos e privados (Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú, Bradesco, Santander e Losango/Bradesco).

A exemplo de históricas manifestações, como as realizadas nos dias 15 e 30 de maio último, que reuniu trabalhadores e estudantes, o Largo do Rosário foi ocupado a partir das 10h da manhã. No final da tarde, ato (foto) e passeata pelo centro de Campinas.

A greve geral foi convocada pelas seguintes centrais sindicais: Força Sindical, CTB, Intersindical, CSP-Conlutas, Nova Central, CGTB, CSB, UGT e CUT.

Fim da seguridade social

A reforma da Previdência em tramitação na Câmara dos Deputados adia a data da aposentadoria, exige maior número de contribuições, reduz os valores dos benefícios e restringe o acesso. O parecer do relator da PEC 6, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), apresentado na véspera de greve geral (13), modifica alguns pontos do texto original. Entre as mudanças, nova regra de transição que, inclusive, reduz o valor do benefício do trabalhador do setor privado que está mais próximo da aposentadoria, E mais: o parecer exclui o regime de capitalização. Mas isso não garante nada. Pode ser modificado pelo plenário da Câmara. Se a proposta de capitalização (contas individuais) passar, substituindo o atual regime de repartição (quem está na ativa sustenta quem está aposentado), como pretende o governo Jair Bolsonaro, será o fim da seguridade social prevista na Constituição Federal. Cabe destacar que o parecer do relator, agora Substitutivo, terá que ser votado na Comissão Especial e depois seguir para o plenário da Câmara. Até lá, é preciso pressionar, mobilizar em defesa de uma Previdência pública e universal.

Fotos: Júlio César Costa


Imprimir       Enviar por email

Comentários

Sem comentários


Adicionar comentário

* - campo obrigatório

*




Imagem CAPTCHA para prevenção de SPAM
Se você não conseguir ler a palavra, clique aqui.
*
*